A TV na internet pode substituir a TV por assinatura?

Ainda é cedo para falar, mas é fato que a TV na internet ganha mais espectadores a cada ano. Uma pesquisa realizada pelo instituto de pesquisa em mídia, comércio e marketing digital eMarketer aponta um crescimento acima do esperado no segmento, devido, principalmente, ao aumento de visualizações em tablets e smartphones. Cerca de 30% dos usuários de TV por assinatura dos Estados Unidos afirmam que migrariam para a TV na internet.

O serviço que começou a se popularizar com a disponibilização de filmes, tornando-se inicialmente um concorrente das videolocadoras, hoje exibe séries e já começa a investir em produções próprias, rivalizando com a TV tradicional.

No Brasil o cenário ainda não aponta uma direção tão clara, mas traz alguns indicadores de que as produções audiovisuais na internet tornam-se cada vez mais populares.

canal Parafernalha surgiu há dois anos como uma produtora exclusiva de vídeos para internet e, atualmente, já possui mais de 3 milhões de inscritos. Com a mesma proposta, mas com menos tempo de vida, o Porta dos Fundos já alcança mais de 330 milhões de visualizações e 4 milhões de inscritos. A Rede Globo, se adiantando às outras redes abertas, lançou seu serviço de TV na internet, o Muu. O Netflix, serviço de filmes e séries online por assinatura, possui cerca de 1 milhão de usuários na América Latina, número modesto se comparado aos 24 milhões de usuários nos Estados Unidos, mas que já demonstra o grande potencial do negócio.

O fato de ainda estarmos nos adaptando à TV digital e à disponibilidade de seu sinal em tablets e smartphones pode ser responsável pelo número, ainda relativamente pequeno, de usuários da TV digital, mas isso é apenas um processo de adaptação. A popularização das televisões Smart – com acesso direto à internet, que começam a ter preços muito atrativos aos consumidores, deve representar um grande aliado neste processo, ainda mais considerando o hábito e a preferência que o brasileiro tem por ver TV no conforto de sua sala.

Deixe seu comentário